domingo, março 7, 2021
Home > Notícias > Brasil repele relatório dos Estados Unidos da América

Brasil repele relatório dos Estados Unidos da América

ATENÇÃO! ESTA MATÉRIA CONTÉM IMAGENS FORTES.

Governo dos EUA omite as agressões aos direitos humanos que acontecem lá ou sob sua jurisdição, lembra o Itamaraty em nota divulgada na sexta

O governo brasileiro deixou claro, através do Itamaraty, que não está disposto a aceitar a prepotência da secretária de estado americana, Hilary Clinton, que divulgou, na sexta-feira (8 ), um pretenso relatório sobre “direitos humanos” em 194 países, com críticas descabidas ao Brasil. Em nota, a chancelaria brasileira respondeu que “o governo brasileiro não se pronuncia sobre conteúdo de relatórios elaborados unilateralmente por países, com base em legislações e critérios domésticos, pelos quais tais países se atribuem posição de avaliadores da situação dos direitos humanos no mundo”.

O comunicado assinala ainda que “tais avaliações não incluem a situação em seus próprios territórios e outras áreas sujeitas de fato à sua jurisdição”. Este trecho do documento, emitido no mesmo dia da divulgação do relatório do Departamento de Estado americano, é uma clara referência ao desprezo que o governo dos EUA tem por qualquer vestígio de direitos humanos de seu próprio povo, particularmente dos negros, dos imigrantes ou dos cidadãos que professam a religião islâmica naquele país. O relatório, frequentemente usado para impor sanções e represálias contra países e líderes desafetos, diz que a polícia brasileira desrespeita os direitos humanos e comete abusos, maus-tratos, tortura e assassinato de pessoas presas. O texto também se refere a um suposto problema de trabalho escravo e de trabalho infantil.

Nas entrelinhas, o governo brasileiro refresca a memória da secretária americana em relação às monstruosidades perpetradas por suas tropas nos países ocupados militarmente pelos EUA, como Iraque e Afeganistão. Os crimes cometidos em locais como a base de Guantánamo, em Cuba, de onde eles [os EUA] se recusam a sair desde o início do século XX, são alvo de graves denúncias de torturas contra os presos. Em suma, o governo brasileiro, diplomaticamente, mandou os EUA pararem de ser hipócritas e passarem a olhar a si próprio antes de sair por aí pontuando sobre a situação de direitos humanos dos outros, como além do Brasil, do Irã e da Coreia Popular.

ASSASSINATO

Hillary Clinton e seu relatório não dizem uma palavra das bombas jogadas pela aviação americana e a OTAN na cabeça da população civil da Líbia, sobre a destruição de cidades inteiras no Iraque, ou sobre o covarde massacre praticado por seus soldados contra jovens indefesos no Afeganistão. As cenas desse último massacre a que nos referimos, por sinal, foram mostradas recentemente, com exuberância de fotos e filmes, pela revista alem㠓Der Spiegel” (veja detalhes nas edições 2948 e 2949 do HP). A dramática reportagem descreve o destino de “Gul Mudin, um rapaz de 15 anos, que morava em La Mohammed Kalay, um povoado de seu país, o Afeganistão”. “Na manhã de 15 de janeiro de 2010, Gul Mudin estava trabalhando no campo quando chegaram os soldados norte-americanos. Em La Mohammed Kalay havia apenas camponeses desarmados – tentando, apesar de tudo, viver em seu próprio país”, prossegue e revista.

“Dois soldados aproximaram-se do jovem Gul, que estava sozinho numa plantação. Um deles o chamou em pashtu, a língua local. Os soldados viram que Gul estava desarmado (“não carregava nas mãos nem mesmo uma pá”, disse depois um deles). Em seguida, “fizeram como se o rapaz tivesse jogado uma granada neles e, depois, acabaram com ele”, descreveu ao pai, como se estivesse contando algo rotineiro, um dos membros do pelotão, o soldado Adam Winfield, pela rede Facebook. “Gul foi metralhado seguidamente pelos soldados Jeremy Morlock e Andrew Holmes. Depois, posaram com o cadáver para várias fotos, segurando a cabeça, como se fosse um animal abatido numa caçada. Um deles decepou um dedo de Gul e o guardou, como souvenir”, conclui a matéria. A zelosa secretária não se lembrou de nada disso em seu relatório.

LEI

Em Guantánamo, centenas de prisioneiros de diversos países são barbaramente torturados e permanecem anos sem julgamento, sem acusação formal e sem condenação. Advogados de defesa então, nem se fala. Ali não há lei. O governo americano se acha no direito de prender, torturar, matar e humilhar pessoas sem nenhum julgamento, apenas por acusações genéricas de supostas “ameaças à segurança” dos EUA. Mas, a secretária de estado não “sabe” nada sobre isso. Ela só tem olhos para possíveis torturas e violência da polícia brasileira. Foram 43 páginas sobre o Brasil, até mesmo especificamente sobre as “minorias” da Bahia, e nenhuma linha sobre os massacres praticados por suas tropas contra populações inocentes. Nada sobre o “Ato Patriótico”, uma lei fascista que invade a privacidade de qualquer cidadão americano, em nome de uma paranóia anti-terror sistematicamente alimentada.

Coincidentemente, além do Brasil, Hilary critica também a Venezuela, mas, por outro lado, não vê nenhuma violência na Colômbia. É claro, com suas bases militares e com a ação de seus fantoches neste país reina a “paz dos cemitérios”. Os esquadrões da morte colombianos (os tristementes conhecidos paramilitares) continuam assassinando sindicalistas, jornalistas, camponeses e líderes populares, sem que o governo dos EUA emita qualquer condenação. Só na cidade de Macarena, no ano passado, foi encontrada uma vala comum com mais de 2 mil cadáveres.

A ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, também rebateu o pretensioso e arrogante relatório americano: “Nenhuma questão contida no relatório é nova, assim como não é novo eles [os norte-americanos] se arvorarem em apontar situações diversas sem que analisem suas próprias contradições. Para o mundo, também seria interessante debater a situação de tratamento desumano dos presos de Guantánamo [base norte-americana em Cuba], o tratamento de emigrantes na fronteira com o México, a existência da pena de morte em alguns estados e até a prática de castigos físicos em escolas para disciplinar crianças”, afirmou.

SÉRGIO CRUZ

Fonte: Jornal Hora do Povo

http://www.horadopovo.com.br/2011/abril/2949-13-04-2011/P3/pag3a.htm

Exemplo dos Direitos Humanos praticados pelos Estados Unidos.

ATENÇÃO: IMAGENS FORTES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *