domingo, dezembro 9, 2018
Home > Notícias > SINDNAÇÕES PEDE APOIO AO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO

SINDNAÇÕES PEDE APOIO AO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO


Presidente do sindicato, Ministro Ives Gandra e Secretário de Administração do SINDNAÇÕES
Presidente do sindicato, Ministro Ives Gandra e Secretário de Administração do SINDNAÇÕES

Em visita ao Tribunal Superior do Trabalho, o SINDNAÇÕES representado pelo presidente Raimundo Luis de Oliveira e o Secretário de Administração e Finanças Marcondes Rodrigues da Silva foram recebidos pelo Ministro Ives Gandra a fim de defenderem a nossa categoria.
O SINDNAÇÕES apresentou agradecimentos com referência ao seminário ocorrido no Palácio do Itamaraty em Brasília no dia 04 de novembro de 2010, no qual o Excelentíssimo Sr. Ministro proferiu um brilhante discurso.
O motivo da vista, porém, deu-se pelo fato de que notamos vários problemas que ferem os direitos humanos.
Várias Embaixadas, Consulados e Organismos Internacionais não cumprem com as obrigações trabalhistas pelo motivo da imunidade de execução. Este fato tem causado muitos transtornos aos empregados, pois, valendo-se dessa suposta prerrogativa, tais Entes não cumprem as obrigações trabalhistas. Muitos deles se acham no direito de humilhar, discriminar, cometer assédio moral e sexual… temos recebido denúncias até mesmo de cárcere privado.
Aliás, temos a informação que muitos diplomatas tem trazido, para trabalhar no Brasil, estrangeiros, principalmente das Filipinas, pelo fato de falarem inglês e espanhol, sendo que os mesmos acabam sendo contratados sem direito algum e em regime de escravidão. Um grande problema que estamos enfrentando, portanto, é a falta de apoio do MRE às nossas denúncias, posto que nossos compatriotas cometem as mesmas faltas, e ao que parece, não querem ser incomodados.
Por tudo isso, O SINDNAÇÕES não se curvará diante desses fatos e continuará nesta caminhada independente, no entanto para que não seja uma luta vã, é necessário o apoio cada vez maior da Justiça laboral e do CNJ, em defesa dos tão almejados, porém constantemente desrespeitados, direitos humanos e dos trabalhadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *